Queda de meteorito há 300 milhões de anos formou uma das maiores crateras do país: conheça a Serra da Cangalha

0
7
queda-de-meteorito-ha-300-milhoes-de-anos-formou-uma-das-maiores-crateras-do-pais:-conheca-a-serra-da-cangalha
Queda de meteorito há 300 milhões de anos formou uma das maiores crateras do país: conheça a Serra da Cangalha

Em entrevista ao g1, o professor de geologia geral e geomorfologia da Universidade Federal do Tocantins, Fernando de Morais, explicou que o meteorito que provocou a cratera em Campos Lindos não tocou no chão e as mudanças no solo foram causadas por uma liberação de energia.

Serra da Cangalha — Foto: Reprodução/ Google

“No caso da Serra da Cangalha, o meteorito não chegou a tocar no chão. Na realidade tem toda uma força que a gente chama de bólido, né? A gente chama meteorito exatamente porque ele é uma rocha que atravessou a atmosfera. E aí ele se desfez antes mesmo de tocar no solo, mas liberou uma quantidade enorme de energia que deformou as rochas que compõem a bacia sedimentar do Parnaíba”.

Seixo que sofreu fraturamento com a energia dissipada na queda do meteorito e moeda que é utilizada para dar ideia de tamanho — Foto: Divulgação/Fernando de Morais

As maiores crateras do Brasil

A Serra da Cangalha é a quarta maior cratera do país. A primeira é o Domo de Araguainha, que fica entre Goiás e Mato Grosso e tem 40 quilômetros de diâmetro. Seguida pela cratera oceânica Praia Grande, na Bacia de Campos em São Paulo e a formação de São Miguel do Tapuio, no Piauí.

Veja as oito maiores crateras formadas por queda de meteorito no Brasil:

  1. Domo de Araguainha, entre Goiás e Mato Grosso – 40 km
  2. Cratera oceânica Praia Grande, na Bacia de Campos em São Paulo – 20 km
  3. São Miguel do Tapuio, no Piauí – 17,5 km de diâmetro
  4. Serra da Cangalha no Tocantins – 13,7 km
  5. Domo de Vargeão – em Santa Catariana – 11 km
  6. Vista Alegre, no Paraná – 9,5 km
  7. Cerro do Jarau, no Rio Grande do Sul, com 5,5 km
  8. Anel do Riachão, no Maranhão – 4,5 km de diâmetro

Serra da Cangalha tem uma das maiores crateras do Brasil — Foto: Divulgação/Benilson Pereira de Sousa

300 milhões de anos atrás…

Os estudos que identificaram a formação da cratera foram realizados nos anos 1970, durante o mapeamento nacional chamado Radam Brasil. Inicialmente a estrutura foi classificada como um domo. Depois de um tempo, pesquisadores ligados a investigação geológica sobre impactos de bólidos e corpos extraterrestres, encontraram amostras de rochas deformadas e concluíram que a formação se tratava de uma cratera de impacto.

Com as amostras é possível descobrir até mesmo a direção do impacto, segundo o professor. Já para saber o período em que a cratera foi formada, os pesquisadores fazem a datação relativa por meio da análise de rochas que compõem a área atingida.

Meteorito que formou cratera no Tocantins caiu há 300 anos, segundo pesquisadores — Foto: Divulgação/Benilson Pereira de Sousa

“Se essas rochas foram deformadas então quer dizer que elas já tinham que existir para que fossem deformadas, para que o impacto gerasse ali uma deformação nessas rochas”, explicou Fernando.

Segundo o professor, estudos realizados entre 2010 e 2011 mostram que o meteorito da Serra Cangalha teria aproximadamente 20 mil toneladas.

‘Ondas’ na Serra

Anéis formados pela dissipação de energia na queda de meteorito — Foto: Reprodução/Google Maps

A queda do meteorito provocou espécies de ‘ondas’ no local. Essas elevações são anéis formados pela energia dissipada após o impacto do bólido. Em imagens de satélite (veja na foto acima) é possível ver a formação do primeiro anel (círculo amarelo) e segundo anel (círculo vermelho).

“Por exemplo, quando você joga uma pedra em um rio vai ver que aonde cai a pedra vai abrindo as ondas formadas por essa pedra. Ela vai abrir em forma de anéis concêntricos. Dá para fazer esse experimento em um copo d’água. Deixa uma gota pingar na água e você vai ver que irá abrir esses anéis. Do mesmo jeito é com o impacto do meteorito”, explicou o professor.

Cangalha

Forma de cangalha (sela usada em cavalos), que dá nome à serra onde está a cratera — Foto: Iphan/Divulgação

O nome Cangalha teria saído de uma comparação do relevo da Serra à uma sela de cavalo. De acordo com o Fernando, pesquisadores ainda não determinaram essa definição, mas o nome é usado popularmente.

“Existem outros lugares no país também que tem esse nome porque geralmente é onde tem esse tipo de relevo, essa geometria. Aí as pessoas tendem a associar a uma Cangalha. Então quando ela é vista de lado, ela tem esse ponto que dá tipo uma sela de cavalo, por isso que dão o nome de Cangalha, Serra da Cangalha”.

Monumento geológico

Cratera fica próxima à rodovia TO-226 — Foto: Divulgação/Benilson Pereira de Sousa

Segundo o professor, a cratera é um monumento geológico que tem potencial para receber o geoturismo, ao mesmo tempo em que é preservada.

“Há necessidade de avanço nessa questão da unidade de conservação e principalmente de trabalhos de sensibilização, porque às vezes a própria população não tem ideia do valor que esse monumento geológico tem para a região. Ali na realidade é um monumento geológico. Pode gerar recurso para a própria população, em termos de geoturismo, de ecoturismo, se tiver essas atividades exploradas de maneira ordenada, né?”.

Cretara na Serra da Cangalha, em Campos Lindos — Foto: Divulgação/Benilson Pereira de Sousa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui