Suspeito de chefiar tráfico de drogas internacional com aviões e submarino é preso pela PF após quatro anos foragido

0
7
suspeito-de-chefiar-trafico-de-drogas-internacional-com-avioes-e-submarino-e-preso-pela-pf-apos-quatro-anos-foragido
Suspeito de chefiar tráfico de drogas internacional com aviões e submarino é preso pela PF após quatro anos foragido

João Soares da Rocha é dono de fazendas, aviões, postos de combustíveis e até um hangar. Segundo a PF, o grupo chefiado por ele utilizava pistas de pouso em Palmas e em Porto Nacional, no Tocantins, como ponto de apoio para movimentar as drogas.

Em setembro de 2023, quando ele já estava foragido, a polícia realizou a segunda fase da operação com foco em descapitalizar o suposto grupo criminoso. Na época, a Justiça Federal do Tocantins bloqueou milhões de reais em bens. A defesa dele sempre negou todas as acusações.

Nesta quinta-feira (21), a PF informou que cumpriu dois mandados dois mandados de prisão preventiva expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária no Tocantins e pela 4ª Vara de Crimes Dolosos Contra a Vida do Tribunal de Justiça de Goiás.

Durante a abordagem, ele apresentou uma identidade falsa aos federais. Isso levou a polícia a identificar que o uso do documento estava dificultando a localização do investigado pela Segurança Pública e Justiça Criminal.

Além do mandado de prisão pela suspeita de tráfico internacional, João Soares também era procurado por suspeita de ser o mandante do assassinato de Silvio Dourado, advogado e policial federal aposentado e namorado da ex-mulher. O crime aconteceu num semáforo em Goiânia numa avenida movimentada em abril de 2020.

Operação Flak

Operação da PF mira grupo que enviava cocaína para outros continentes

Operação da PF mira grupo que enviava cocaína para outros continentes

Durante a investigação a polícia descobriu que o grupo comprava e adulterava aeronaves para transportar drogas no Brasil e em outros países. João Soares Rocha possuía de fazendas, aviões, postos de combustíveis e até um hangar.

As investigações indicam que a rota do transporte de drogas passava pelos países produtores (Colômbia e Bolívia), países intermediários (Venezuela, Honduras, Suriname e Guatemala) e países destinatários (Brasil, Estados Unidos e União Europeia). Pistas no Tocantins também eram usadas pelo grupo.

No ano seguinte o grupo foi alvo de uma megaoperação da Polícia Federal que fez 28 prisões e apreendeu 11 aeronaves.

Durante as investigações da Flak deflagrada em fevereiro de 2019, a PF constatou que Joao, chegou a transportar nove toneladas de cocaína. 47 aviões ligados ao grupo dele foram apreendidos na época.

Rota da droga movimentada por quadrilha alvo da Operação Flak, da Polícia Federal — Foto: Wagner Magalhães/G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui