PMs suspeitos de matar mulher no Maranhão usaram arma furtada da Polícia Militar, diz inquérito

0
13
pms-suspeitos-de-matar-mulher-no-maranhao-usaram-arma-furtada-da-policia-militar,-diz-inquerito
PMs suspeitos de matar mulher no Maranhão usaram arma furtada da Polícia Militar, diz inquérito

A vítima, que era tia de Etevaldo, foi morta a tiros no bairro Parque Alvorada, no dia 10 de fevereiro deste ano. Os suspeitos foram presos em 12 e dois dias depois foram indiciados. A prisão temporária foi prorrogada por 30 dias e agora convertida em preventiva – por tempo indeterminado.

A Polícia Militar do Tocantins informou que o procedimento administrativo para apuração disciplinar está em fase de instrução processual. (Veja nota na íntegra ao final da reportagem)

A defesa dos miliares afirmou em nota que entrou com habeas corpus para que a prisão preventiva seja anulada. Também defendeu que na investigação não foram feitos o reconhecimento dos suspeitos e reconstituição do crime. A suspeita que recai sobre eles seria porque a dupla foi abordada perto do local do homicídio e que eles tinham acabado de sair da casa de Elielson, e que “não há porque eles terem a prisão preventiva decretada”. (Veja nota na íntegra ao final da reportagem)

Maria de Jesus Sousa Moraes, de 42 anos, foi morta a tiros em Imperatriz (MA) — Foto: Divulgação

Etevaldo é cabo da PM e Elielson atua como soldado da corporação. Conforme a investigação, os suspeitos foram encontrados com duas armas de fogo, uma delas com numeração raspada, e um carregador de pistola com capacidade de 19 munições, mas apenas 13 munições intactas.

O delegado responsável pelo caso, James dos Anjos, disse à TV Anhanguera que uma das armas era um revólver calibre .38 que tinha sido furtado do 9º Batalhão da PM de Araguatins e estava com os suspeitos. “A referida arma foi restituída à corporação”, disse o delegado.

O crime

A Polícia Militar do Maranhão informou que no dia do crime, os suspeitos estavam em uma moto quando passaram pela vítima e atiraram. Na verdade, os militares do Maranhão estariam em busca de uma pessoa que escapou da abordagem policial e se escondia na casa da vítima. Mas ouviram os tiros na rua e viram que Maria estava morta. O cabo e o soldado foram perseguidos por policiais do Maranhão e presos.

Durante a investigação, uma testemunha, companheiro da vítima, afirmou que Etevaldo não aceitava o relacionamento da tia e que, inclusive, teria o levado para um matagal em 2022 e o ameaçado. Só não teria matado a testemunha porque recebeu uma ligação na hora da abordagem. Mas teria o deixado amarrado com um arame no local.

“Sustenta a autoridade policial que os fatos narrados demonstram o grau elevado de periculosidade dos investigados, denotando extrema frieza, e indiferença à vida humana no modus operandi, pois o crime foi praticado na presença de populares e vizinhos da vítima”, diz trecho da decisão judicial, com base no inquérito.

Os dois militares seguem presos em Imperatriz, sob segurança da PMMA, e devem responder por feminicídio. A TV Anhanguera teve acesso a uma decisão em que os investigados negaram o crime e alegaram que estavam a caminho do aeroporto para realização de exercícios físicos.

O que diz a defesa do PMs

A prisão preventiva, quando o acusado é policial militar, ocorre quase que de forma automática em razão do estigma já erigido sobre a classe dos policiais militares. E, a prisão preventiva será combatida e já impetramos Habeas Corpus para que ela seja anulada. Os dois policiais estão sendo apontados como suspeitos sem elementos de provas robustas, sendo que o laudo do exame pericial realizados sobre as armas com eles apreendidas no momento em que foram presos pela guarnição da PMMA exclui o uso delas no homicídio.

No inquérito não foi realizada reconstituição e os dois policiais presos não foram submetidos à reconhecimento perante as testemunhas oculares, bem como não foram realizados exames de recenticidade nas armas apreendidas e nem nas mãos dos policiais. A suspeita que recai sobre eles é em razão de terem sido abordados há 4 (quatro) quadras do local do homicídio, sendo que um dos policiais reside a menos de 100 (cem) metro do local da ocorrência do homicídio. Os dois policiais haviam acabado de sair da residência do policial Elielson. Assim, em resumo, não há porque eles terem a prisão preventiva decretada.

O que diz a Polícia Militar do Tocantins

A Polícia Militar do Tocantins informa que o procedimento administrativo para apuração disciplinar dos militares está em fase de instrução processual, dentro do prazo regulamentar. O prazo para conclusão é de 30 dias, prorrogáveis por mais 20 dias, caso necessário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui