Bombeiros encerram buscas por menino indígena desaparecido após 14 dias de trabalhos na Ilha do Bananal

0
17
bombeiros-encerram-buscas-por-menino-indigena-desaparecido-apos-14-dias-de-trabalhos-na-ilha-do-bananal
Bombeiros encerram buscas por menino indígena desaparecido após 14 dias de trabalhos na Ilha do Bananal

A última estratégia utilizada pelas equipes de buscas havia sido entrar em contato com a aldeia Utaria, que fica próxima do local de desaparecimento, a procura de novas informações, e depois percorrer possíveis áreas de interesse próximas à região de mata da aldeia.

Segundo os bombeiros, durante as buscas foram sobrevoados mais de 220 hectares de área utilizando drones. Cada militar percorreu mais 120 km de distância nas áreas de interesse. Além do trabalho com cães farejadores e de indígenas voluntários por terra, foram percorridos mais de 40 km nas margens do Rio Araguaia com embarcações.

O local onde as buscas estavam concentradas fica entre as cidades de Santa Terezinha (MT) e Pium (TO).

Participaram das buscas as equipes do Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins, Corpo de Bombeiros Militar do Mato Grosso, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Centro Integrado de Operações Aéreas do Estado do Mato Grosso (CIOPAER-MT), Grupamento Aéreo da Polícia Militar do Tocantins (GRAER-TO), Polícia Militar do Estado do Tocantins, Centro Integrado de Operações Aéreas do Tocantins (CIOPAER-TO), Secretaria de Estado dos Povos Originários do Tocantins (SEPOT) e Fundação Nacional do Índio (FUNAI).

‘Aldeia está triste’

Moradores da Aldeia Macaúba ajudam nas buscas. — Foto: Divulgação/ Bombeiros

Desde o dia do desaparecimento de Bruno todas as atividades comuns dos povos Karajás foram suspensas na aldeia. Quando a operação completou 10 dias de buscas o g1 conversou com o tio da criança, Urania Karajá, sobre a nova e triste rotina da comunidade.

“Aqui na aldeia está tudo parado. Parou tudo. Festas, rituais, cultura… tudo parado por causa do Bruno desaparecido. A aldeia está triste”, relatou o tio.

A aldeia compartilha o sofrimento dos pais e dos seis irmãos de Bruno. As buscas mobilizam a comunidade desde o dia 21 de janeiro. Os indígenas se organizavam em mutirões para participarem dos trabalhos durante toda a madrugada. Na segunda-feira (22) os bombeiros chegaram ao local. A equipe cresceu progressivamente a medida em que barreiras climáticas e geográficas atrasavam as buscas.

A rotina das mulheres indígenas também não era mais a mesma. Os grupos que em outros tempos se reuniam para coletar frutas, agora entram na mata fechada esperando encontrar pegadas, ou qualquer vestígio do menino.

Resumo das buscas

Bruno Iriwana Karajá, de 11 anos, não é visto desde a tarde de domingo (21). — Foto: Divulgação

Inicialmente as buscas foram feitas pelos próprios indígenas no dia 21, após Bruno desaparecer. Nesse dia um vaqueiro disse ter visto a criança a cerca de 15 km da aldeia Macaúba.

Na segunda-feira (22), equipes do Grupamento Aéreo da Polícia Militar em apoio ao Grupo de Resgate dos Bombeiros foram até a região onde o menino desapareceu. Lá eles rastrearam vestígios e pegadas do menino. No dia chovia muito e a água chegou a apagar algumas marcas.

Na terça-feira (23), um grupo de indígenas esteve durante a noite na mata para intensificar as buscas. Segundo o tio do menino, Urania Karajá, foram encontradas evidências de que a criança estava na região.

Equipe recebeu o reforço de um helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (CIOPAer) de Mato Grosso — Foto: Divulgação/ Bombeiros

No sábado (27) os trabalhos começaram por volta de 12h por causa das chuvas intensas na região. Segundo os bombeiros, os serviços foram feitos em uma área bem maior se comparado aos dias anteriores e muitos indígenas ajudaram nas buscas. No final da tarde um helicóptero voltou para Palmas. Na região continuaram bombeiros, indígenas e três militares do Mato Grosso.

Mesmo com todo o suporte não foram encontradas pistas de Bruno no domingo (28) e na segunda-feira (29).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui