Exploração de petróleo na Margem Equatorial anularia ganhos climáticos de zerar o desmatamento na Amazônia

0
39
exploracao-de-petroleo-na-margem-equatorial-anularia-ganhos-climaticos-de-zerar-o-desmatamento-na-amazonia
Exploração de petróleo na Margem Equatorial anularia ganhos climáticos de zerar o desmatamento na Amazônia

Brasil troca seis por meia dúzia em emissões de gases estufa se insistir em retirar combustível na foz do Amazonas e outras bacias da região.

Enquanto o presidente Lula tentava minimizar o mal-estar provocado, em plena COP28, pelo anúncio de adesão do Brasil à OPEP+, ficamos sabendo que a insistência em explorar petróleo na foz do Amazonas e outras bacias da Margem Equatorial anulará os ganhos pelo desmatamento zero na Amazônia.

A pedido da Agência Pública, o Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, trabalhou com projeções do impacto da produção de 10 e 30 bilhões de barris de petróleo na Margem Equatorial. Segundo Felipe Barcellos, do Instituto de Energia e Meio Ambiente, se todo esse petróleo for queimado, emitiria entre 4 e 13 bilhões de toneladas de CO2. Estes números são semelhantes ao que Estados Unidos (5,3 bilhões) e China (12,3 bilhões de toneladas) emitiram em 2020.

A meta climática do Brasil prevê que até 2025 as emissões anuais serão da ordem de 1,34 bilhão de toneladas de CO2 equivalente (GtCo2e), e até 2030 devem cair para cerca de 1,21 de GtCo2e/ano. Ou seja, as emissões da queima do petróleo da Margem Equatorial seriam pelo menos o triplo do teto de emissões que o Brasil se comprometeu a emitir em 2030.

Como boa parte desse petróleo deve ser exportado, não atrapalharia a contagem brasileira. Mas o clima é um só, e o que se emite em outro país vai esquentar o planeta – e afetar os brasileiros também.

Também no cômputo global fica evidente o impacto negativo da exploração da Margem Equatorial. De acordo com o SEEG, se de fato o desmatamento for zerado até 2030, mesmo que não haja redução de emissões em outros setores da economia, como energia e agropecuária, o Brasil estará em sete anos emitindo cerca de 905 milhões de toneladas de CO2 equivalente. É 25% menos do que os 1,2 GtCO2e previstos na NDC para 2030.

“Esse montante de emissões seria equivalente a continuarmos desmatando até 2035 ou até 2060, considerando que cumpriremos com a NDC em 2025 e depois vamos freando linearmente o desmatamento. Ou seja, explorar a Margem Equatorial seria equivalente ao dano causado pela postergação entre 5 anos e 30 anos da meta de desmatamento zero”, explicou o coordenador do SEEG, David Tsai.

ClimaInfo, 4 de dezembro de 2023.

Clique aqui para receber em seu e-mail a Newsletter diária completa do ClimaInfo.

Você também pode se interessar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui