Menina com hidrocefalia é adotada por casal de São Paulo após ser abandonada pelos pais biológicos em hospital

0
32
menina-com-hidrocefalia-e-adotada-por-casal-de-sao-paulo-apos-ser-abandonada-pelos-pais-biologicos-em-hospital
Menina com hidrocefalia é adotada por casal de São Paulo após ser abandonada pelos pais biológicos em hospital

O quartinho dos sonhos foi montado para receber a criança tão esperada. A decoração do ambiente foi inspirada em um jardim encantado, com flores, ursinhos de pelúcia e luzes coloridas por toda parte. Tudo pensado com muito carinho.

Casal de São Paulo adota menina com hidrocefalia, que havia sido abandonada pelos pais biológicos — Foto: Arquivo Pessoal

“Nós já temos algumas roupinhas, inclusive nós temos roupinhas de personagens, de leão, olha que bonitinho”, disse a corretora de imóveis, Evi Cristina Dantas, a mamãe da Lívia.

Lívia é uma criança atípica e poderia não despertar tanta atenção de quem está na fila para adotar uma criança. Evi e Marcelo deixaram o amor falar mais alto.

“Eu simplesmente senti meu coração acelerar e falei: ‘é ela’. Eu não pensei muito. Eu vi a foto dela, fiquei encantada”, disse a corretora de imóveis, Evi Cristina Dantas.

Lívia de três anos foi adotada por casal de São Paulo — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Depois de muitas idas e vindas, o pai buscou a filha no Tocantins para finalmente levá-la para casa.

“É um grande desafio e uma grande responsabilidade, mas vai dar tudo certo. A gente tem bastante amor, bastante carinho para dar para ela e eu tenho certeza que vai dar tudo certo daqui para frente”, celebrou o corretor de imóveis Marcelo Pereira Santos.

A família de São Paulo conheceu a história da Lívia por meio de um aplicativo voltado para adoção de crianças com deficiência ou com mais de sete anos de idade ou também grupos de irmãos. A ferramenta desenvolvida pelo Tribunal de Justiça do Paraná é aberta apenas para futuros pais ou mães que já estão em processo de adoção.

“Diante do perfil dela não ser aquele que normalmente as pessoas procuram para adotar, nós estamos felizes. Vamos iniciar agora o estágio de convivência”, ressaltou o juiz Adriano Gomes.

A adoção nesse perfil é rara, porque a maioria dos pretendentes busca perfis específicos de crianças, o que, geralmente, não inclui aquelas com deficiência. É por isso que o Sistema Nacional de Adoção enfrenta uma conta que nunca fecha. Enquanto mais de 35 mil pessoas estão cadastradas como pretendentes a adotar, mais de 4.500 crianças disponíveis para adoção seguem esperando por uma família.

Família monta quartinho para receber a menina Lívia em São Paulo, após processo de adoção — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

No ano passado, foram concluídas pouco mais de 4.400 adoções no Brasil. Desse total, só 2%, 117 crianças, tinham algum tipo de deficiência. Além disso, um em cada 10 apresentava problemas de saúde diagnosticados.

“O CNJ, no ano passou, editou uma portaria que permitia que as imagens das crianças e adolescentes, difíceis de serem inseridas, fossem parar no Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento, de maneira que aquelas pessoas que já estão ali descritas, podem ver o nome da criança, ver a imagem da criança, conhecer um pouco mais da história da criança. Isso, com certeza, facilita”, afirmou a juíza auxiliar da presidência do CNJ, Rebeca Mendonça.

A faixa etária também é um obstáculo nesse processo já que, enquanto a maioria dos pretendentes querem as crianças na primeira infância, praticamente oito em cada 10 crianças disponíveis para adoção já têm mais de seis anos.

Menina de 3 anos, adotada por casal de São Paulo, recebe tratamento médico ao se mudar para novo lar — Foto: Arquivo Pessoal

“É muito gratificante para o judiciário quando chega esse momento, da entrega de uma criança para um casal que está disposto a atendê-la em todos os sentidos no seu acolhimento. Torcemos muito para que tudo dê certo porque esse é um ato de amor”, disse a desembargadora Maysa Vendramini.

Foi assim que a adoção da Lívia chamou a atenção. Uma criança tão pequena e que já venceu tantos desafios merece uma nova chance de recomeçar e ser feliz.

“Ela é muito guerreira, essa criança. Eu digo que não foi a mãezinha de São Paulo que a adotou, eu digo que foi a Lívia que adotou eles porque eles são maravilhosos e sei que a Lívia vai ser muito feliz com eles”, disse a cuidadora Cristiane de Sousa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui