Museu de Arte Murilo Mendes, em Juiz de Fora, celebra certificação do Ibram

0
36
museu-de-arte-murilo-mendes,-em-juiz-de-fora,-celebra-certificacao-do-ibram
Museu de Arte Murilo Mendes, em Juiz de Fora, celebra certificação do Ibram

Na região, o Museu Regional de São João del Rei, a Pinacoteca e o Museu Histórico da Universidade Federal de Viçosa (UFV), além do Museu de Ciências da Terra Alexis Dorofeev, também em Viçosa, já possuíam o selo.

Segundo o Ibram, a certificação significa a chancela de um reconhecimento institucional. É a mesma avaliação feita pelo diretor do Mamm, Ricardo Cristófaro.

“Possuir o selo ‘Museu Registrado’ nos dá um certo status. Nem todo espaço museológico tem este reconhecimento por parte do governo federal. Isso nos diferencia e habilita a participar de editais para captar recursos e parcerias em programas nacionais e internacionais, além de intercâmbio de exposições”, disse em entrevista ao G1.

Profissionalização do setor

Ricardo Cristófaro disse que, para entender a importância do registro, é necessário contextualizar as inciativas em prol da organização e profissionalização do setor museológico no Brasil.

“Quando o Mamm foi criado, utilizou a prerrogativa de atribuir a qualquer coleção museológica e a espaço a nomenclatura de museu. A partir de 2009, com a criação do Ibram, foi normatizado o que é museu e o que é coleção de interesse, e o instituto vem no trabalho de profissionalizar a gestão do espaço, recursos humanos, levantamento de riscos e acervos, organizando o sistema”, comentou.

Como exemplo da identificação correta, Cristófaro lembrou que o Memorial Itamar Franco, que funciona ao lado do Mamm, não é um Museu, mas um espaço de interesse cultural, porque ter um acervo relevante.

O Mamm iniciou o processo para obter o selo “Museu Registrado” em 2017, sob a iniciativa da museóloga, Raquel Barbosa, e do restaurador, Aloísio Arnaldo de Castro.

“Enviamos a documentação exigida, abrimos o processo em setembro de 2017, recebemos mais interpelações e pedidos, que respondemos. Analisaram nossa missão, acervo, importância, conselho curador, diretoria eleita, plano museológico trienal e agora fomos credenciados”, resumiu o diretor.

Obra de Cândido Portinari está na mostra “Arte Brasileira: Coleção Murilo Mendes” em Juiz de Fora — Foto: Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação

Sobre o Mamm

Inaugurado em 2005, o Museu de Arte Murilo Mendes abriga o acervo bibliográfico e de artes visuais do poeta juiz-forano. Além de promover exposições, o espaço também desenvolve intensa programação cultural, educativa e gratuita, com vistas à continuação do legado muriliano.

Atualmente, estão nas dependências do Mamm a Biblioteca e Hemeroteca Dormevilly Nóbrega, a biblioteca da escritora Cleonice Rainho, da família Cosette de Alencar, do arquiteto Arthur Arcuri, do artista plástico João Guimarães Vieira e da autora Maria de Lourdes de Oliveira.

“Temos os acervos bibliográfico e pinacoteca de arte visuais de origem, ou seja, do Murilo Mendes. E o acervo expandido que reúne livros ligados à literatura, artes visuais e arquitetura; a coleção de arte moderna e contemporânea brasileira e arte juiz-forana”, contou Cristófaro.

Litografia de Antonio Corpora, de 1958, está na mostra “Modernidade Europeia” — Foto: Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação

“Temos uma programação de exposições focadas no acervo interno, que são frequentemente revisitadas por projetos de pesquisa, acervo muito rico. Atualmente, estão em cartaz o acervo brasileiro, outra focada na técnica de gravura na Coleção Murilo Mendes e uma do artista brasileiro, Farnese de Andrade, que é uma exposição que ele fez na década de 1970, na antiga Capela Galeria de Arte, que não existe mais”, afirmou o diretor.

“Farnese – Pintura. Gravura. Objeto.” reúne trabalhos do artista Farnese de Andrade exibidos em 1979 em Juiz de Fora — Foto: Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação

Sobre o selo “Museu Registrado”

A certificação é um instrumento da Política Nacional de Museus previsto pelo Estatuto de Museus, Lei 11.904, de 2009, e regulamentado pelo Decreto nº 8.124, de 2013, e Resolução Normativa nº 1 de 2016. O objetivo é estimular a formalização dos museus a partir do acompanhamento das dinâmicas de criação, fusão, incorporação, cisão ou extinção de museus.

Desde janeiro de 2017, para solicitar o registro e receber o selo é necessário:

  1. Preencher e assinar o Formulário de Solicitação de Registro;
  2. Fotocopiar os documentos solicitados;
  3. Entregar/enviar o formulário devidamente preenchido e a documentação solicitada para o Ibram ou para a entidade registradora local, nos casos em que houver.

Segundo o Ibram, a certificação traz os seguintes benefícios para as instituições museológicas agraciadas:

  • Aumenta a visibilidade do museu, tanto em âmbito nacional (Plataforma Museusbr) como internacional (Registro de Museus Ibero-americano – RMI);
  • Propicia o compartilhamento direto com a sociedade de informações aprofundadas sobre os museus;
  • Auxilia os órgãos a qualificar as políticas públicas voltadas para o setor;
  • Facilita a adesão ao Sistema Brasileiro de Museus;
  • Permite que o museu exerça o direito de preferência em casos de Declaração de Interesse Público;
  • Habilita o museu a participar dos editais do Ibram ou de outras entidades que promovam o fomento aos museus e que exijam seu reconhecimento.

Confira uma reportagem do quadro

Confira uma reportagem do quadro “Diversão e Arte” que visita Museu de Arte Murilo Mendes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui