Jabutis em PL das eólicas offshore podem custar R$ 28 bilhões e mais emissões

0
42
jabutis-em-pl-das-eolicas-offshore-podem-custar-r$-28-bilhoes-e-mais-emissoes
Jabutis em PL das eólicas offshore podem custar R$ 28 bilhões e mais emissões

Mudanças no projeto incluíram liberação de preços para gás fóssil usado em termelétricas, descontos para produtores de biomassa e biometano e benefícios para geração distribuída.

Na corrida para aprovar uma “agenda verde” a ser exibida na COP28, a Câmara dos Deputados prevê votar nesta 3ª feira (28/11) o projeto de lei 11.247/2018, que estabelece o marco regulatório das eólicas offshore. Poderia ser positivo, apesar das imensas incertezas quanto aos impactos ambientais e ao preço da energia eólica offshore. Mas o relator do PL, o deputado Zé Vitor (PL-MG), incluiu no substitutivo matérias sem qualquer relação com o tema – os chamados jabutis – que podem não só aumentar as emissões do setor elétrico como criar uma conta de até R$ 28 bilhões a ser paga por todos os consumidores de eletricidade do país, segundo cálculos da Abrace Energia.

O substitutivo propõe alterações no setor elétrico brasileiro que o governo inicialmente planejou tocar via medida provisória e que gerou protestos de consumidores. Segundo o Jota, como a MP não tinha consenso entre os ministérios, acabou ficando na gaveta da Casa Civil.

Um dos pontos que estava na MP e que apareceu no texto de Zé Vítor é a revisão do trecho que previa a contratação das termelétricas na Lei 14.182/2021, da privatização da Eletrobras. A contratação de térmicas a gás fóssil foi reduzida de 8 GW, como aprovado na lei, para 4,25 GW. No entanto, segundo a Frente Nacional dos Consumidores de Energia, o custo pode aumentar com essa contratação, com entrega de energia entre 2027 e 2031.

O substitutivo também prevê mais 4,9 GW de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) na forma de reserva de capacidade, com operação entre 2029 e 2030, além de 300 MW eólicos na Região Sul e de 250 MW de hidrogênio líquido a partir de etanol no Nordeste. “Caso não sejam contratados no período previsto, serão repassados para os anos seguintes, o que causará mais prejuízos aos consumidores”, aponta a Frente, em nota.

O relatório do PL 11.247 também muda o marco legal da geração distribuída em outro “jabuti” que pode reduzir a tarifa do uso do sistema de distribuição (TUSD) de alguns setores econômicos. Incluíram nessa possibilidade de faturamento também empreendimentos de hotelaria e pousada, locais de práticas de atividades esportivas ou parque de exposições agropecuárias.

Outra medida é a prorrogação de descontos de 50% para fontes hidrelétricas ou térmicas (biomassa, biogás, biometano e RSU) de até 30 MW por cinco anos adicionais, e em 25% por outros cinco anos, a partir da vigência da nova lei.

“Será mais um subsídio às custas dos consumidores de energia, além da retirada de controles sobre a precificação do gás para as térmicas. Esse não é o caminho. Precisamos que nossos parlamentares entendam o papel do Legislativo na viabilização de uma transição energética que seja sustentável e efetiva”, alerta o presidente da Frente, Luiz Eduardo Barata.

A reação da Frente Nacional dos Consumidores de Energia aos “jabutis” do substitutivo do PL 11.247 foi noticiada por Valor, Poder 360, epbrEnergiaHoje.

ClimaInfo, 28 de novembro de 2023.

Clique aqui para receber em seu e-mail a Newsletter diária completa do ClimaInfo.

Você também pode se interessar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui